Viagem ao Fundo do Mar

Ficha-Técnica

viagem-ao-fundo-do-mar-logo-s2-peqTítulo: Viagem ao Fundo do Mar (Voyage to the Bottom of the Sea/1964-68/EUA/P&B-Cor)
Criação: Irwin Allen
Elenco: Richard Basehart (Almirante Harriman Nelson), David Hedison (Capitão Lee Crane), Robert Dowdell (Oficial Chip Morton), Henry Kulky (Chefe Curley Jones), Terry Becker (Chefe Francis Ethelbert Sharkey), Del Monroe (Kowalski), Paul Trinka (Patterson),  Allen Hunt (Marujo Stuart Riley), Richard Bull (O Doutor), Arch Whiting (Sparks), Paul Carr (Casey Clark), Derrick Lewis (Tenente O’Brien – 1ª Temp.)
Estúdio: 20th Century Fox
Formato: 110 episódios de 60 minutos (incluindo intervalos) em 4 temporadas + longa-metragem que deu origem
Dublagem: AIC/SP, com: Ronaldo Baptista (Almirante Nelson), Hélio Porto (Capitão Lee Crane – 1ª voz), Osmiro Campos (Capitão Lee Crane – 2ª voz), Wilson Ribeiro (Chip Morton), Emerson Camargo (Paterson – 1ª voz), Silvio Navas (Paterson – 2ª voz), João Paulo Ramalho (Chefe Sharkey - 1ª voz), Gervásio Marques (Chefe Sharkey - em 1 episódio), Ary de Toledo (Chefe Sharkey - 2ª voz), Newton Sá (Chefe Sharkey - 3ª voz), Francisco José (Chefe Sharkey - 4ª voz), Batista Linardi (Kolwaski), Olney Cazarré (Sparks – 1ª voz), José Miziara (Sparks – 2ª voz), Lourival Pacheco (Chefe Curly Jones), Osmar Prado (Marujo Rilley), Older Cazarré (Médico do Seaview - 1ª voz), Newton Sá (Médico do Seaview - 3ª voz), Wilson Kiss (Médico do Seaview - 4ª voz), Dênis Carvalho (Tenente O’Brien – 1ª Temp.), Ibrahin Barchini (narrador – 1ª e 2ª temporadas), Oswaldo Calfat (narrador em alguns episódios da 2ª Temporada) e Carlos Alberto Vaccari (narrador – 3ª e 4ª temporadas)
Exibição no Brasil: TV Record, TV Tupi, TV Bandeirantes, TV Globo, Fox, FX, Rede Brasil (atualmente)

O Início – Cinema

A franquia Viagem ao Fundo do Mar começou com um filme americano da 20th Century Fox, produzido e dirigido em 1961 por Irwin Allen. Ele seria conhecido na década de 1970 como o “Mestre do Cinema Catástrofe”, graças a filmes como “O Destino do Poseidon” (e sua sequência), “Inferno na Torre” e “O Dia em que o Mundo Acabou”.

viagem-ao-fundo-do-mar-longa2Influenciado pela obra de Julio Verne, Irwin Allen introduziu ao público as aventuras de um submarino nuclear com a função de pesquisar a vida marinha e seus benefícios para a humanidade. A história do filme foi escrita por Allen e Charles Bennett e contou no elenco com Walter Pidgeon como o veterano Almirante Harriman Nelson e Robert Sterling como Capitão Lee Crane nos papeis principais.

O filme ainda teve a participação de outros artistas famosos, como Robert Sterling (Capitão Lee Crane), Peter Lorre (Comandante Lucius Emery), Frankie Avalon (Tenente Chip Romano), Barbara Eden [de Jeannie é um Gênio] (Tenente Cathy Connors), Joan Fontaine (a psicóloga Dra. Susan Hiller) e Michael Ansara (o cientista civil Miguel Alvarez) [marido de Eden na vida real].

A canção-tema do filme foi cantada por Frankie Avalon, que também atuou no filme.

viagem-ao-fundo-do-mar-longaNo longa-metragem, uma expedição científica de rotina ao Pólo Norte transformou-se em uma corrida para salvar a vida sobre a Terra, já que um cinturão de radiação no espaço incendiou-se e começou a aquecer o planeta de maneira incontrolável. O Almirante Nelson e a tripulação do fantástico submarino nuclear Seaview (idealizado por Nelson) enfrentam sabotadores, criaturas marinhas gigantescas e ataques de outros submarinos durante a jornada para evitar a catástrofe global.

O filme impressionou pela fotografia e efeitos visuais, tornando-a uma das obras mais respeitadas da ficção científica de todos os tempos. Estreou nos cinemas norte-americanos em julho de 1961 e em pouco tempo se tornou um grande sucesso mundial. Para a produção, foram gastos cerca de 2 milhões de dólares, uma quantia fabulosa para a época, mas que trouxe um retorno de quase 7 milhões.

Episódio-Piloto

A carreira de sucessos de Allen na tevê deu início com a versão de seu filme lucrativo “Viagem ao Fundo do Mar”. O diretor ofereceu à 20th Century Fox o projeto de adaptação televisiva, apontando para a vantagem de que nenhum custo extra seria necessário, aproveitando do longa-metragem. Seriam utilizados todos os elementos do filme, como cenários, maquetes, fantasias, suportes, modelos de efeitos especiais, e às vezes até partes do filme. A autorização foi dada para produção da série e a 1ª Temporada começou a ser filmada em novembro de 1963.

Cena do episódio-piloto "Eleven Days to Zero"

Cena do episódio-piloto “Eleven Days to Zero”

A primeira temporada foi filmada em preto e branco. Mas, o episódio-piloto foi feito a cores, para poder haver encaixes de cenas do longa-metragem, que eram coloridas, em especial as que mostram o submarino e o fundo do mar.

O episódio-piloto chamou-se “Eleven Days to Zero”, foi filmado em cores, mas exibido em preto e branco. Fez uma apresentação do submarino nuclear futurístico Seaview e os membros de sua tripulação. A maior celebridade é o projetista e construtor do submarino, o Almirante Harriman Nelson, pertencente ao Instituto de Pesquisa Marinha.

Na história, o Seaview foi construído como um navio de investigação marinha. Mas, dada a sua complexidade e por poder transportar armas nucleares, acaba sendo requisitado em muitas ocasiões pelo governo em missões secretas militares. O submarino foi construído na Filadélfia, numa base secreta conhecida como N.I.M.R (Nelson´s Institute for Marine Research).

Neste episódio-piloto é contada a história de Lee Crane e como ele chegou ao posto de Capitão do Seaview. Mostrou-se, também, as tarefas básicas do submarino e de sua tripulação, que era de sondar os mistérios da natureza e forças que ameacem a paz mundial.

A Série

viagem-ao-fundo-do-mar-materia1

Elenco principal da série

Viagem ao Fundo do Mar se tornou a primeira das quatro séries de ficção científica para a televisão que o produtor Irwin Allen viria realizar: Perdidos no Espaço, Terra de Gigantes e O Túnel do Tempo. Protagonizada por Richard Basehard (como Almirante Nelson) e David Hedison (Capitão Crane), a série foi apresentada originalmente nos EUA, pela rede ABC, entre 14 de setembro de 1964 e 31 de março de 1968, num total de 110 episódios, divididos em quatro temporadas.

As duas primeiras temporadas de Viagem ao Fundo do Mar acontecem no imaginário de um futuro da década de 1970 e, nas outras duas, os acontecimentos giram em torno do futuro dos anos 1980. Com o desenrolar dos episódios, viu-se histórias fantásticas que exploravam tramas de espionagens e complôs, ambientadas em um cenário futurístico de ficção científica, em função da presença do submarino nuclear e seu arsenal. A tripulação do Seawiew enfrentou terríveis monstros de todo tipo e tamanho, sereias (!), terroristas, espiões, cientistas loucos e até alienígenas. Há histórias com visível influência da série Além da Imaginação (The Twilight Zone, 1959-64).

A série também mostra a participação dos diversos membros da tripulação, que têm uma presença fixa nos episódios, cada um desempenhando uma função e que de alguma forma acabam também envolvidos pela trama do episódio.

Os atores Del Monroe e Mark Slade participaram do longa-metragem e da série de tevê, como membros da tripulação. Del Monroe, que era o marujo Kwoski no filme, passou a ser chamado de Kowalski na série, teve grande destaque em quase todos os episódios. Mark Slade permaneceu somente na 1ª Temporada da série, interpretando o Marujo Malone.

Na época, os roteiristas não estavam acostumados a escrever para esse tipo de programa de ficção. Assim, produziam textos que giravam em torno daquilo que conheciam, com a diferença que as histórias eram situadas dentro de um submarino nuclear.

Personagens

vfm-personagens1vfm-personagens2

Temporadas 

A 1ª Temporada da série Viagem ao Fundo do Mar mostra várias histórias de perigo nos oceanos. Em relação ao filme, a série introduziu novos equipamentos, como o sino de mergulho e um mini-submarino, assim como a primeira história envolvendo monstros marinhos e seres espaciais, que destoavam na narrativa dos demais.

A atmosfera nesta fase era mais séria e intensa, caracterizando-se por enredos ligados a Guerra Fria e seus conflitos, assim como em especulações sobre o futuro da humanidade. Muitos episódios envolvem espionagem e elementos de ficção científica. Nesta fase, as tramas focam em governos estrangeiros hostis e monstros do mar. Para muitos fãs, essa foi a melhor temporada da série, em função do tom mais verossímil e sintonizado com os problemas mundiais.

A 2ª Temporada de Viagem ao Fundo do Mar trouxe algumas histórias dentro do mesmo tom da 1ª Temporada, mas recebeu um aumento substancioso de enredos, envolvendo diversos monstros semanais. Os roteiros passaram a ser popularmente conhecidos como “o monstro da semana”. É que buscando elevar a audiência, o produtor Irwin Allen optou por roteiros mais voltados à ficção científica e à aventura, tendo em vista que produções de séries como O Agente da UNCLE, que se apoiava na paródia, explorando elementos de fantasia, ganhava cada vez mais popularidade. Assim, Allen alterou radicalmente o rumo de Viagem ao Fundo do Mar.

Além disso, o segundo ano também promoveu a mudança do preto e branco para o colorido, assim como a substituição permanente do Chefe Jones, devido a morte do ator Henry Kulky. Ele foi substituído por Terry Becker, que interpretou o Chefe Sharkey.

Outra mudança significativa na 2ª Temporada aconteceu com o Seaview, que foi ligeiramente redesenhado e introduzido junto ao Sub-Voador, um mini-submarino com capacidade para dois homens, todo amarelo e que pode se transformar em um avião. Ele permitiu aos membros da tripulação saírem do submarino para chegar mais rápido em Terra, ampliando as possibilidades de novas aventuras. Para acomodar o veículo à bordo, os cenários da sala de observações foram alterados, permitindo a inclusão de uma escotilha, que levava ao subvoador. As janelas de observação do Seaview também se tornaram mais amplas e foram divididas em quatro. A tripulação recebeu uniformes mais coloridos, mas os oficiais ainda continuaram em seus uniformes caqui, como na 1ª Temporada.

viagem-ao-fundo-do-mar-materia4

Cena do episódio “Jonas e a Baleia”, onde há um resgate dentro de uma baleia

O primeiro episódio da 2ª Temporada é memorável. Chamado “Jonas e a Baleia”, mostra Nelson e uma cientista russa presos no interior de uma rara e enorme baleia, após o animal engolir o sino de mergulho em que os dois estavam. O ponto alto é que, enquanto esperam ser resgatados, Nelson e a espiã passaram a falar sobre fé. Nelson é ateu, e tenta convencer sua companheira que o mito bíblico de Jonas era um exemplo de estoicismo e esperança. 

A 3ª Temporada de Viagem ao Fundo do Mar começou mostrando uma história com um lobisomem. Mas, logo os episódios passaram a mostrar os oficiais do Seaview envolvidos com uma tripulação nazista, dando a ideia de que a Segunda Guerra Mundial ainda continuava.

Nesta temporada, foram contadas duas histórias de espionagem e uma de perigo nos oceanos, rememorando a 1ª Temporada. Uma dessas três histórias falou sobre um governo estrangeiro hostil, que tentava roubar um novo mineral, fazendo uma lavagem cerebral no Almirante Nelson. A 3ª Temporada também ocorreu simultaneamente com a produção de outras séries de Irwin Allen — a 2ª Temporada de Perdidos no Espaço e a estreia de O Túnel do Tempo.

E, finalmente, a 4ª Temporada, que iniciou com uma história de alquimista de cinco séculos adiante. Alguns episódios também tiveram seus créditos de abertura modificados e a temporada contou com três histórias sem conexões, sobre invasores extraterrestres e também dois episódios em que o Seaview retorna no tempo.

O Fim da Série

A série manteve sua popularidade, entrando nou terceiro ano de produção. No entanto, nessa época, a rede ABC anunciou cortes no orçamento, que afetou os efeitos especiais, cenários, figurinos e equipe de roteiristas. Profissionais que já trabalhavam no estúdio substituíram aqueles que formavam a equipe fixa da série, que foi dispensada (alguns foram para a série Missão: Impossível, da Paramount). Os roteiros passaram a ser feitos por free-lancers de baixo custo e com ideias não muito empolgantes. Como resultado, aumentou o número de episódios de produção mais simples, com monstros, além do aumento da reutilização de cenas já filmadas para a série ou para outras produções da Fox. A falta de continuidade no perfil dos personagens também se tornou um problema.

Na 4ª Temporada, Viagem ao Fundo do Mar ainda tinha boa audiência, mas já havia um clima de fim de festa nos bastidores. Richard Basehart e David Hedison manifestavam estar cansados com a baixa qualidade dos roteiros. Mas, o golpe final pode ter ocorrido em função das negociações para produção de Terra de Gigantes, que obteve um orçamento elevado. Nessa época, a Fox produzia as séries Viagem ao Fundo do Mar (ABC), Perdidos no Espaço (CBS) e O Túnel do Tempo (ABC), todas de Irwin Allen.

O Túnel do Tempo exibiu seu último episódio em abril de 1967, enquanto que Viagem ao Fundo do Mar e Perdidos no Espaço saíram do ar em março de 1968. Terra de Gigantes estreou em setembro de 1968, mas seu alto custo determinou o fim da série em 1970.

Ao todo, foram 110 episódios de Viagem ao Fundo do Mar, onde viu-seepisódios com thriller psicológico e outros com aventura e fantasia. A série tornou-se uma das mais populares e cultuadas pelos fãs do gênero, com episódios memoráveis, como “Dia de Crueldade”, “O Canhoto”, “Jonas e a Baleia”, “Os Inimigos”, “A Bomba Humana”, “O Jogo Perigoso”, “O Gigante Submarino”, “O Cyborg” e “Bonecos Mortais”.

Atores

Richard Basehart

richard-basehartNasceu como John Richard Basehart no dia 31 de agosto de 1914, em Zanesville, Ohio, EUA e iniciou sua carreira no rádio e teatro na década de 1940. Pouco tempo depois, em 1947, estreou no cinema com grande destaque no filme “Mansão da Loucura” (Cry Wolf).

Logo em seguida, em 1948, interpretou magistralmente um assassino num filme noir clássico “O Demônio da Noite” (He Walked by Night) e não parou mais de atuar. Trabalhou em filmes clássicos, como “A Estrada da Vida” (La Strada, 1954, de Federico Fellini), “Os Irmãos Karamazov” (The Brothers Karamazov, 1958) e “Moby Dick” (1956).

Basehart também ficou bastante conhecido pela sua voz profunda e distinta e narrou diversos filmes e documentários para a televisão e cinema.

Foi casado três vezes: a primeira com Stephanie Klein em 1940, que morreu 10 anos depois, e em 1951, com a atriz italiana Valentina Cortese, com quem teve um filho e se divorciou em 1960. Dois anos mais tarde, casou-se novamente com Diane Lotery, com quem viveu até a sua morte.

Depois de algumas participações especiais em várias séries de sucesso da época, Basehart aceitou estrelar Viagem ao Fundo do Mar em 1964, com o objetivo de arrecadar dinheiro para produzir suas peças no teatro. Interpretando o Almirante Nelson, entre 1964-68, Basehart passou a ser conhecido internacionalmente.

Trabalhou no cinema e televisão até os 70 anos de idade. Após sucessivos derrames, morreu no dia 17 de setembro de 1984, em Los Angeles, Califórnia, EUA. Um mês antes de seu falecimento, Basehart atuou como locutor para a cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de Verão de 1984, em Los Angeles.

David Hedison

david-hedisonNasceu como David Albert Hedison Jr. no dia 20 de maio de 1927, em Providence, Rhode Island, EUA. Segundo alguns autores, decidiu seguir a carreira de ator ao assistir o filme “Sangue e Areia” (1941), estrelado por Tyrone Power, que o deixou impressionado e empolgado.

Para concretizar seu sonho, estudou em Nova Iorque. Iniciou sua carreira artística trabalhando em produções Off-Broadway com a peça “A Month in the Country”, com a qual ganhou o prêmio Theater World Award. Na época, usava o nome artístico de Al Hedison.

Conseguiu um contrato com a 20th Century Fox e participou do filme “A Raposa do Mar” (The Enemy Below, 1957), juntamente com Robert Mitchum. Continuou participando de outros importantes filmes para o cinema e, nos anos 1960, migrou para a televisão, onde começou a participar de algumas séries. Logo depois, em 1959, foi escalado para protagonizar o seriado Contra-Espionagem (Five Fingers). Foi durante essa época que passou a adotar o nome de David Hedison.

Foto recente de David Hedison

Foto recente de David Hedison

Pouco tempo depois, ficou muito famoso ao interpretar o personagem Capitão Lee Crane, entre 1964-68, na série Viagem ao Fundo do Mar. Depois, continuou a participar de outros seriados, como A Mulher Maravilha, As Panteras, Casal 20, A Ilha da Fantasia, O Barco do Amor, A Super Máquina, Esquadrão Classe A, entre outras participações em filmes.

Em 1968, casou com Bridget e tiveram duas filhas, Serena e Alexandra. Esta última é também atriz e diretora e tem participado de importantes séries de televisão. Hedison está com 87 anos, goza de boa saúde e continua a participar de alguns projetos artísticos.

Curiosidades

  • No Brasil, muita gente imaginava que o nome do submarino Seaview era “Civil”, devido à pronúncia similar com a palavra inglesa. A tradução livre de “Seaview” é “vista para o mar”.
  • A construção cenográfica do Seaview para o longa-metragem foi muito difícil. Os técnicos em efeitos especiais recorreram à Marinha americana para saber detalhes de como funciona um submarino. Mas a ajuda foi negada. Os EUA estavam em plena Guerra Fria e temeu-se que seriam revelados segredos das plantas dos submarinos americanos. Com isso, a equipe recorreu a antigos filmes bélicos para pesquisar os submarinos usados durante a Segunda Guerra Mundial. A equipe, que nunca tinha visto um submarino por dentro, também usou dos recursos do Museu de Ciências de Chicago onde, através de visitas em meio a grupos turísticos, secretamente fez rápidas anotações e desenhos do interior de submarinos alemães, capturados no final da Segunda Guerra. Por sorte, foram encontradas, também, anotações sobre a parte interna de um submarino alemão, capturado durante a guerra. Mais tarde, a produção até conseguiu o apoio da Marinha, mas só depois de tudo pronto é que foram enviados representantes para visitar os cenários e opinar.
  • Na vida real, o submarino Seaview foi criado por Jack Martin Smith, Herman Bluementhal, Lyle Abbott e Herbert Cheek.
  • Quando a série Viagem ao Fundo do Mar foi produzida, a equipe responsável pela criação do Seaview para o filme de longa-metragem não estava mais disponível. Com os mesmos cenários do filme, a série continuou atraindo o interesse de militares, entre eles, o então Presidente do Brasil Marechal Costa e Silva. Ele, inclusive, chegou a visitar os bastidores de produção da série, em 1967.
  • Nas cenas em que o Seaview é atacado, alguém da equipe técnica precisou segurar um balde e um martelo. Toda vez que se batia um no outro, todos os atores inclinavam-se para a esquerda enquanto a câmera se inclinava para a direita.
  • Em uma cena, enquanto o submarino sacudia e os atores eram lançados de um lado para outro, os lápis sobre a mesa permaneceram imóveis.
  • O personagem Chefe Sharkey foi originalmente oferecido a James Doohan, que preferiu trabalhar em Jornada nas Estrelas, onde deu vida ao personagem Scotty.
  • David Hedison havia negado o papel do Capitão Lee Crane no longa-metragem “Viagem ao Fundo do Mar”. Porém, o ator foi convidado novamente por Irwin Allen, para viver o personagem na série de tevê. Desta vez, a presença de Richard Basehart no elenco convenceu Hedison a aceitar o convite.
  • Diferente do filme em longa-metragem, na versão para tevê, o Capitão Crane não tem noiva, ficando livre para se envolver com as mulheres.
  • O episódio “Céu em Chamas” ( The Sky’s On Fire), da 2ª Temporada, é uma adaptação do longa-metragem que deu origem à série. Por sinal, muitos fãs acham que o resultado ficou muito superior ao do filme.
  • Durante a produção de um dos episódios da série, o diretor percebeu que o roteiro tinha ficado muito curto. Para preencher os minutos que faltavam, ele pediu que Terry Becker e Richard Basehart improvisassem uma cena. Segundo Becker, em entrevista à revista Filmfax, Basehart gostou tanto da improvisação que pediu a Allen que colocasse Becker em mais cenas com ele. Assim nasceu a relação de amizade entre os personagens e os atores. Quem assistir aos episódios verá que Nelson e Sharkey são muito mais próximos que Nelson e Crane.

No Brasil

A série estreou no Brasil em 16/05/1965, pela TV Record, em preto e branco. Por um ano e meio, as exibições aconteceram às 20h dos domingos. Em 1968, VFM ocupou dois horários nos domingos da TV Tupi (16h30 e 18h). Em janeiro de 1969, retornou às tardes da TV Record, às quartas-feiras.

Viagem ao Fundo do Mar foi licenciada para ser transmitida pela TV Bandeirantes em maio de 1971, que exibiu o programa em seu horário nobre, depois transferindo-o para a madrugada, onde permaneceu até o ano seguinte.

Entre 1973-75, foi novamente exibida pela TV Tupi, às quintas-feiras, 16h30. Após dois anos fora do ar, reestreou em outubro de 1978 pela TV Globo, com exibição pelas manhãs, pela primeira vez em cores. Permaneceu por lá durante um ano e só voltou ao ar em 1981, pela TV Bandeirantes novamente, que a exibiu pelas manhãs até 1984. Entre 1986-88 e em 1990, a TV Record reexibiu a série.

Entre os anos de 1995 e 1996, Viagem ao Fundo do Mar foi apresentada pelo canal por assinatura Fox. Ainda na TV paga, foi exibida em 2006-07 pelo canal FX (do grupo Fox) e, atualmente, pode ser vista nas madrugadas do canal aberto Rede Brasil de Televisão, às terças e quintas-feiras, 4h.

Todas as exibições utilizaram-se da dublagem original do estúdio AIC.

50 Anos de VFM

Em 2014, mais precisamente no dia 14 de setembro, a série Viagem ao Fundo do Mar completou 50 anos da estreia na televisão americana. Para comemorar, a produtora de eventos Hollywood Show, especializada em séries e filmes antigos, organizou uma convenção entre os dias 17 e 19 de outubro, que contou com a participação de quatro atores da série: David Hedison (Capitão Lee Crane), Terry Becker (Chefe Sharkey), Allen Hunt (Marujo Riley) e Derrik Lewis (Tenente O’Brien). Além de assistir a debates sobre a série, os fãs puderam comprar produtos, ganhar autógrafos e tirar fotos com os atores.

Terry Becker faleceria pouco tempo depois, 30/12/2014, aos 93 anos de idade. Na imagem abaixo, o registro dos quatro atores de Viagem ao Fundo do Mar, no Hollywood Show:

David Hedison (Capitão Lee Crane), Terry Becker (Chefe Sharkey), Allen Hunt (Marujo Riley) e Derrik Lewis (Tenente O’Brien)

Terry Becker (Chefe Sharkey), David Hedison (Capitão Lee Crane), Allen Hunt (Marujo Riley) e Derrik Lewis (Tenente O’Brien)

viagem-ao-fundo-do-mar-materia6

Divulgação do evento

Do elenco principal, além dos atores vistos acima, também está vivo Robert Dowdell (Oficial Chip Morton), hoje com 82 anos. Mas, devido a grandes problemas que teve com um fã em um evento, Dowdell deixou de aparecer publicamente.

Em ordem cronológica, faleceram Henry Kulky [Chefe Curley Jones] (1965), Paul Trinka [Patterson] (1973), Richard Basehart [Almirante Nelson] (1984), Paul Carr [Casey Clark] (2006), Arch Whiting [Sparks] (2007), Del Monroe [Kowalski] (2009), Richard Bull [O Doutor] (2014) e e Terry Becker [Chefe Sharkey] (2014).

Os 50 anos da estreia de Viagem ao Fundo do Mar no Brasil serão completados em 16 de maio de 2015.

DVD

Caixa com a série completa, lançada nos EUA/Canadá

Caixa com a série completa, lançada nos EUA/Canadá

A série teve todos os seus episódios lançados em DVD pela 20th Century Fox no mercado americano e canadense, entre 2010-11. Na Região 2 (Reino Unido), a Apocalipse Films lançou toda a série em DVD, sendo em versões separadas por temporada e, em 26 de março de 2012, a coleção completa em um único box, em 31 discos com todos os 110 episódios da série, bem como os devidos bônus. Na Região 4, a Madman Entertainment lançou as duas primeiras temporadas em DVD na Austrália em 20 de agosto de 2014. E, no Brasil, oficialmente, nada foi lançado, mas distribuidoras alternativas como a Visual Filmes, acabaram colocando no mercado de DVDs, à sua maneira, parte da série Viagem ao Fundo do Mar. Clique aqui para pesquisar as lojas que ainda possuem estoques. Há também clubes de colecionadores como o www.videoseries.com.br, que lançou toda a série e

Já o longa-metragem “Viagem ao Fundo do Mar” (1961) foi lançado oficialmente em DVD no Brasil em 2003, pela Fox Home Entertainment. Encontra-se esgotado e não houve relançamentos.

// Clique aqui para ver o Guia de Episódios de Viagem ao Fundo do Mar

O autor desta matéria é Maurício Viel. Escreva para nós ou faça seus comentários abaixo. Agradecimentos a Marco Antônio dos Santos e Elias de Lucena.

Multimídia

Clique e assista ao episódio “O Monstro do Espaço”, da série Viagem ao Fundo do Mar.

Clique e assista a abertura do episódio-piloto da série Viagem ao Fundo do Mar, “Onze Dias a Zero”.

Clique e assista a um vídeo com erros de gravação da 1ª Temporada:

Galeria